Compartilhar
Informação da revista
Vol. 38. Núm. 3.
Páginas 297-302 (Julho - Setembro 2016)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
3059
Vol. 38. Núm. 3.
Páginas 297-302 (Julho - Setembro 2016)
Artigo original
DOI: 10.1016/j.rbce.2015.12.012
Open Access
Comparação da prevalência de métodos de perda de peso pré‐competição em judocas de diferentes categorias
Comparison of prevalence of methods of weight loss pre‐competition in different categories
Comparación de la prevalencia los métodos de pérdida de peso antes de la competición de los judocas de las diferentes categorías
Visitas
3059
Rafaello Pinheiro Mazzoccantea, Ioranny Castro de Sousaa, Lucas Cezar Vilela Mendesb,
Autor para correspondência
lucasvilelamendes@hotmail.com

Autor para correspondência.
, Milena Cristina Vilela Mendesc, Ricardo Yukio Asanod
a Universidade Católica de Brasília, Programa de Pós‐Graduação Stricto Sensu em Educação Física, Brasília, DF, Brasil
b Universidade Católica de Brasília, Programa de Pós‐Graduação Lato Sensu em Fisiologia do Exercício, Brasília, DF, Brasil
c Sociedade de Ginástica Porto Alegre (Sogipa), Porto Alegre, RS, Brasil
d Fundação Municipal de Ensino Superior de Bragança Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Bragança Paulista, Bragança Paulista, SP, Brasil
Este item recebeu
3059
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Tabelas (5)
Tabela 1. Caracterização da amostra
Tabela 2. Prevalência de perda de peso pré‐competição em atletas de judô
Tabela 3. Métodos usados para perda de peso pré‐competição em atletas de judô
Tabela 4. Percepções referentes ao processo de perda de peso pré‐competição em atletas de judô
Tabela 5. Com quem aprendeu o método de perda de peso pré‐competição
Mostrar maisMostrar menos
Resumo

Atletas de judô geralmente recorrem em períodos prévios às competições ao uso de métodos de perda de peso rápida. Essa prática tem como objetivo o benefício do atleta que competirá em uma categoria de menor peso e buscará recuperar o peso em um curto tempo entre a pesagem e a competição. Contudo, o uso dessa prática sem um acompanhamento profissional pode ser prejudicial à saúde do atleta.

Objetivo

Investigar os métodos e as estratégias usados para perda de peso em competidores de judô de nível nacional de diferentes categorias.

Métodos

60 atletas de judô competidores de nível nacional de ambos os sexos de diferentes categorias (juvenil, júnior, sênior e master) responderam a um questionário com perguntas referentes ao uso ou não de métodos de perda de peso e quais são as estratégias de perda de peso frequentemente usadas no período pré‐competitivo.

Resultado

80% (juvenil), 69,6% (júnior), 88,9% (sênior) e 100% (master) usam métodos de perda de peso pré‐competição, 70% (juvenil), 69,6% (júnior), 77,8% (sênior) e 77,7% (master) relataram ter o seu desempenho prejudicado pelo uso dessas estratégias.

Conclusão

Observou‐se que uma quantidade bem elevada de atletas de judô, de diferentes categorias de idade, faz uso de métodos ou estratégias de perda de peso rápida. Esse fato demonstrou ter efeito deletério direto sobre o desempenho físico e emocional dos atletas durante as competições.

Palavras‐chave:
Desempenho
Nutrição
Desidratação
Lutadores
Abstract

Judo athletes often use in previous periods of competitions, methods for rapid weight loss. This purpose of this practice is benefit the athlete, competing in a lower weight category and tries to regain weight in a short space of time between the weigh‐in and competition. However, the use of this practice without professional supervision may be harmful to the health of the athlete.

Objective

Investigate the methods and strategies used for weight loss in judo competitors at the national level and different categories.

Methods

60 athletes the national levels, male and female, of different ages (juvenile, junior, senior and master) answered a questionnaire regarding the use or not of methods for weight loss and what are the strategies loss weight often used in the pre‐competition period.

Results

80% (juvenile), 69.6% (junior), 88.9% (senior) and 100% (master) use methods of weight loss pre‐competition, and 70% (juvenile), 69.6% (junior), 77.8% (senior) and 77.7% (master) reported their performance impaired by the use of these strategies.

Conclusion

We found that a much higher judo athletes from different age categories, makes use of methods or strategies for rapid weight loss. This fact has shown a direct deleterious effect on the physical and emotional performance of athletes during competitions.

Keywords:
Performance
Nutrition
Dehydration
Fighters
Resumen

Los judocas en los períodos anteriores a las competiciones a menudo usan métodos de pérdida de peso rápida. Esta práctica tiene como objetivo beneficiar el hecho de que el judoca compita en una categoría de peso inferior y trate de recuperar el peso en un corto espacio de tiempo entre el pesaje y la competición. Sin embargo, el uso de esta práctica sin supervisión profesional puede ser perjudicial para la salud del deportista.

Objetivo

Investigar los métodos y estrategias utilizados para la pérdida de peso en la competición de judo a nivel nacional en distintas categorías.

Métodos

60 competidores de judo a nivel nacional de ambos sexos y distintas categorías (juvenil, júnior, sénior y máster) respondieron a un cuestionario sobre el uso de métodos para bajar de peso o no, y cuáles son las estrategias de pérdida peso utilizadas con frequencia en el período previo a la competición.

Resultados

El 80% (juvenil), el 69,6% (júnior), el 88,9% (sénior) y el 100% (máster) utilizan métodos de pérdida de peso antes de la competición, y el 70% (juvenil), el 69,6% (júnior), el 77,8% (sénior) y el 77,7% (máster) comunicaron que sus resultados se vieron afectados por el uso de estas estrategias.

Conclusión

Se observó que diversos atletas de distintas categorías de edad utilizaron métodos o estrategias para perder peso rápidamente. Este hecho ha demostrado un efecto directo perjudicial sobre el rendimiento físico y emocional de los atletas durante las competiciones.

Palabras clave:
Actuación
Nutrición
Deshidratación
Luchadores
Texto Completo
Introdução

O judô é um dos esportes mais praticados no Brasil. Tem como peculiaridade o confronto entre dois oponentes que buscam vencer o combate dentro de regras específicas e para equilibrar as lutas os atletas são divididos em categorias de peso e idade (Carazzato et al., 1996). Os torneios nacionais são competitivos, as diferenças técnicas entre os lutadores são mínimas. Assim, estudos demonstram que o uso de perda de peso pré‐competição é comum entre atletas de judô no Brasil (Lopes et al., 2012).

O método de perda de pesa pré‐competição tem o objetivo de competir contra atletas mais leves (Artioli et al., 2007). Supostamente, os judocas poderiam se beneficiar, reduzir seu peso antes da pesagem oficial e tentar recuperá‐la em curto período entre a pesagem oficial e a luta (Silva et al., 2001). Porém, o estudo de Lopes et al. (2012) relatou que em judocas de nível nacional de competição essas estratégias podem afetar o desempenho, bem como a saúde do atleta, em eventos como desidratação, fadiga, mudança no humor, anorexia, entre outros. Outros estudos corroboram o autor supracitado em relação aos danos desse método (Lucena et al., 2009; Artioli et al., 2006; Kiningham, 2001).

Os métodos de perda de peso relatados por competidores são restrição dietética, restrição hídrica, aumento na intensidade e volume de treinamento, uso de roupas de plástico, laxantes e diuréticos (Costa e Samulki, 2005). Essa prática pode estar se disseminando entre os atletas mais jovens, uma vez que parece ser cultural aos atletas perderem peso pré‐competição.

Os estudos de perda de peso em judocas jovens são escassos e as comparações com as categorias de maior idade são inexistentes até o presente momento. Com isso, surge a necessidade da produção de conhecimento relacionada à prevalência de uso de métodos para perda de peso em judocas de nível nacional jovens e as comparações com atletas de maior idade.

Assim, o objetivo do presente estudo foi investigar os métodos e as estratégias usados para perda de peso em competidores de judô de nível nacional de diferentes categorias, como juvenil, júnior, sênior e master.

Material e métodos

O presente estudo foi transversal, de caráter quali e quantitativo. Participaram 60 atletas de judô competidores de nível nacional de ambos os sexos (45 masculinos e 15 femininos). Os atletas foram divididos de acordo com a idade nas categorias de judô; juvenil (n=10, 14,7±1 anos); júnior (n=13, 17,47±0,8 anos); sênior (n=18, 22,77±3,9 anos); master (n=9, 36,4±5 anos). Todos os atletas aceitaram participar da pesquisa e assinaram um termo livre e esclarecido. O estudo foi aprovado pelo comitê de ética em pesquisa do Centro Universitário UnirG (2007‐1) e atendeu aos princípios éticos que norteiam pesquisas com seres humanos de acordo com as resoluções do Conselho Nacional de Saúde (196/96).

Critérios de inclusão

Para inclusão na pesquisa o atleta deveria ser competidor de judô de competição em nível nacional, com histórico competitivo de no mínimo cinco anos, estar em categorias de peso e idade no judô igual ou acima de juvenil. A coleta foi feita em competições de nível nacional em São Paulo‐SP e no Distrito Federal.

Critérios de exclusão

Questionários incompletos ou incompreensíveis.

Procedimentos

A coleta de dados ocorreu por meio de aplicação de um questionário com perguntas fechadas de fácil compreensão, que continham questionamento sobre métodos e percepções sobre a perda de peso no período pré‐competitivo e qual o impacto dessa ação em aspectos físicos e psicológicos.

Anteriormente à iniciação da coleta de dados o instrumento de pesquisa (questionário) passou por uma etapa de pré‐teste, em um universo reduzido, com vistas ao aperfeiçoamento e a possíveis correções sobre eventuais erros de formulação.

Previamente à aplicação do questionário, o avaliador fez uma explicação oral sobre a proposta da pesquisa, instruções de preenchimento, instruções para devolução, incentivo ao preenchimento e agradecimento. Durante a aplicação do questionário, para evitar possíveis influências externas sobre as respostas dos atletas, o pesquisador explanou sobre como o voluntário deveria proceder para responder o instrumento e em seguida retirou‐se da sala onde o atleta se encontrava, permitindo a ele 15 minutos para responder às questões sem a influência de outros atletas, técnicos e do pesquisador.

As questões foram elaboradas com itens de respostas de “sim ou não”, respostas livres e formulários de múltipla escolha, nessa última se podia selecionar mais de uma opção. Todas as questões foram desenvolvidas conforme sugerido por Babbie (1990). A aplicação do questionário ocorreu em centros de treinamento.

Análise estatística

Os resultados estão expressos por frequência relativa (%), média e desvio padrão (±). Para a comparação de dados quantitativos entre os grupos foi usado Anova one way com post hoc de Tukey. E para as comparações das variáveis qualitativas foi usado o teste de qui‐quadrado. Para o tratamento estatístico foi usado o programa SPSS versão 20.0.

Resultados

A tabela 1 apresenta a caracterização das amostras de judocas estudados.

Tabela 1.

Caracterização da amostra

Variáveis  Juvenil (n10)  Júnior (n23)  Sênior (n18)  Master (n9) 
Idade (anos)  14,7±1,0  17,4±0,8a  22,7±3,9a,b  36,4±5,0a,b,c 
Sexo (masculino/feminino)  4/6  20/3  12/6  4/0 
Massa corporal (kg)  56,4±10,8  71,6±15,7a  70,4±14,7  76,4±8,3a 
Tempo de prática (anos)  6,6±3,2  8,8±4,2  13,8±4,8a,b  27,5±7,9a,b,c 
Tempo de competição (anos)  5,2±3,0  6,5±3,0  10,8±2,1a,b  22,8±6,7a,b,c 
N° de competições por ano  8,3±5,6  11,3±5,5  10,7±6,2  7,4±3,1 
a

p<0,05 em relação a mesma variável do juvenil.

b

p<0,05 em relação a mesma variável do júnior.

c

p<0,05 para sênior.

A prevalência do uso de métodos de perda de peso rápida em período pré‐competitivo foi elevada em todas as categorias. As maiores prevalências foram nas categorias com maior idade (sênior=88,9%, master=100%). A categoria júnior obteve a menor prevalência quando comparada com as demais categorias (tabela 2). Em contrapartida, a prevalência foi baixa nas categorias juvenil, júnior e sênior em relação a atletas que seguem uma dieta balanceada ao longo do período de preparação (tabela 2).

Tabela 2.

Prevalência de perda de peso pré‐competição em atletas de judô

Variáveis  Juvenil (n10)  Júnior (n23)  Sênior (n18)  Master (n9) 
Usam métodos de perda de peso pré‐competição  80% (8)  70% (16)  89% (16)  100% (9) 
Seguem uma dieta balanceada ao longo da preparação  10% (1)  13% (3)  33% (6)  67% (6) 

Em relação aos métodos usados para perda de peso, foram citados exercícios mais intensos, correr, correr agasalhado, treinar judô mais intensamente, reduzir a alimentação, ficar sem comer, sauna e orientação nutricional. As prevalências dos métodos diferem entre as categorias. Na categoria juvenil, os mais usados são correr e reduzir a alimentação; atletas juniores preferem reduzir a alimentação; os seniores destacam‐se por fazer exercícios mais intensos; os master por treinar judô mais intensamente e reduzir a alimentação e a tabela 3 apresenta outro dado interessante, a baixa prevalência de orientação por profissional de nutrição.

Tabela 3.

Métodos usados para perda de peso pré‐competição em atletas de judô

Variáveis  Juvenil (n10)  Júnior (n23)  Sênior (n18)  Master (n9) 
Exercício físico intenso  30% (3)  47,8% (11)  72,2% (12)  33,3% (3) 
Correr  70% (7)  47,8% (11)  16,7% (3)  33,3% (3) 
Correr agasalhado  30% (3)  39,1% (9)  27,8% (5)  11,1% (1) 
Treinar mais intensamente (judô)  30% (3)  21,7% (5)  22,2% (4)  44,4% (4) 
Reduzir a alimentação  60% (6)  60,9% (14)  27,8% (5)  44,4% (4) 
Ficar sem comer  10% (1)  ‐  50% (9)  ‐ 
Sauna  10% (1)  13% (3)  ‐  22,2% (2) 
Orientação por nutricionista  ‐  4,3% (1)  5,5% (1)  22,2% (2) 

Em todas as categorias foram relatados que os métodos de perda de peso no período pré‐ competição afetam o desempenho do atleta durante a competição, principalmente nas categorias com maior idade (sênior e master). Além disso, vários atletas relataram ter alterações de humor (tabela 4).

Tabela 4.

Percepções referentes ao processo de perda de peso pré‐competição em atletas de judô

Variáveis  Juvenil (n10)  Júnior (n23)  Sênior (n18)  Master (n9) 
Desempenho é afetado pela perda de peso rápida  70% (7)  69,6% (16)  77,8% (14)  77,7% (7) 
O humor altera no período de perda de peso  60% (6)  65,2% (15)  66,7% (12)  55,5% (5) 

Quando perguntados aos atletas com quem aprenderam o método de perda de peso pré‐competição, as respostas foram outros atletas, técnicos, programas de televisão, revistas, artigos científicos e nutricionista. O item outros atletas foi mais prevalente em todas as categorias. Os atletas juvenis, juniores e seniores também apresentaram uma grande prevalência sobre o aprendizado desses métodos de perda de peso oriundos de seus técnicos (tabela 5).

Tabela 5.

Com quem aprendeu o método de perda de peso pré‐competição

Variáveis  Juvenil (n10)  Júnior (n23)  Sênior (n18)  Master (n9) 
Outros atletas  60% (6)  78,3% (18)  83,3% (15)  55,5% (5) 
Técnicos  30% (3)  39,1% (9)  33,3% (6)  11,1% (1) 
Programas de televisão  40% (4)  8,7% (2)  22,2% (4)  22,2% (2) 
Revista  20% (2)  –  5,6% (1)  – 
Artigo científico  20% (2)  –  5,6% (1)  22,2% (2) 
Nutricionista  –  8,7% (2)  –  22,2% (2) 
Discussão

Os principais achados do presente estudo foram que a prevalência de uso de métodos de perda de peso pré‐competição é elevada em todas as categorias estudadas e poucos atletas recorrem à orientação nutricional adequada. Os métodos de perda de peso usados diferem entre as categorias. Na categoria juvenil, os mais usados são correr e reduzir a alimentação; atletas juniores preferem reduzir a alimentação; os seniores destacam‐se por fazer exercícios mais intensos; e os judocas da categoria master por treinar judô mais intensamente e reduzir a alimentação (tabela 3).

A percepção desses atletas sobre perda de peso rápida durante o período pré‐competitivo foi evidente em todas as categorias. Contudo, essa percepção sobre os métodos foi notória em 70% em atletas juvenis, 69,6% em atletas juniores, 77,8% em atletas seniores e 77,7% em atletas master. Em sua maioria os atletas relataram que o aprendizado sobre os métodos de perda de peso foram adquiridos com outros atletas, esse procedimento parece passar de gerações mais velhas para as mais novas, observar uma disseminação de métodos sem fundamentações científicas ou profissionais, pode até ser tornar um problema cultural dessa modalidade esportiva.

Ademais, em todas as categorias os atletas relataram ter alterações de humor quando usam métodos de perda de peso rápida previamente à competição. O humor pode ser um fator preocupante ao desempenho competitivo do atleta, somar‐se às implicações emocionais que uma competição de alto nível impõe (Barbacena et al., 2008; Pelegrin, 2009; Bertuol e Valentini, 2006).

Contudo, o uso de estratégias de perda de peso em períodos pré‐competitivos é comum em diversas modalidades (Lucena et al., 2009; Artioli et al., 2006; Kiningham, 2001; Hall e Lane, 2001). Artioli et al. (2007) estudaram 28 judocas de elite do sexo masculino, da cidade de São Paulo. Os resultados mostraram que 85,7% da amostra estavam em média 4,2% acima do limite de peso da categoria e 89,5% habitualmente mantinham o peso acima do máximo da categoria. Além disso, 100% já pesaram mais do que o limite da categoria e atualmente 3,7% pesavam mais do que o peso da categoria. Lopes et al. (2012) observaram elevada prevalência de judocas de nível nacional que usam métodos de perda de peso pré competição (93%). No estudo de Artioli (2008) foi encontrada porcentagem parecida de judocas (90%) que usam ou já usaram a perda de peso pré‐competição. No presente estudo, a porcentagem de atletas que usam o método também é parecida com os estudos citados.

O presente estudo determinou que 60% dos judocas juvenil e junior usam restrição alimentar como método para perda de peso pré‐competição e a prevalência de atletas que fazem uma dieta balanceada durante toda a temporada é menor nessas categorias. A categoria juvenil compete em média oito vezes por ano e a categoria júnior 11 e supõe‐se que esses atletas jovens passam grande parte da temporada em restrição alimentar. Essa prática, além de afetar o desempenho, como citado pelos atletas, pode acarretar disfunções no crescimento. Para Vilardi et al. (2001), a presença de um baixo peso corporal e um consumo energético severamente restrito é o principal fator de risco para o desenvolvimento de distúrbios como anemia, irregularidades menstruais e desmineralização óssea. As consequências sobre a saúde e o rendimento atlético são mais comuns em atletas do sexo feminino. A ocorrência de distúrbios alimentares nessa população é muito elevada.

Além disso, a restrição alimentar antes da competição contraria as recomendações de alimentação pré‐competição, uma vez que segundo de Sousa et al. (2010) estoques ideais de glicogênio muscular em atletas estão relacionados à melhoria no desempenho esportivo. Por outro lado, a restrição calórica implica estoques de glicogênio reduzidos, esse substrato é a fonte primária para exercícios. As consequências de estoques reduzidos de glicogênio estão relacionadas à exaustão e fadiga muscular em esportistas (Cyrino e Zucas, 1999).

Já as categorias com maior idade (sênior e master) têm maior prevalência de perda de peso pré‐competição, quando comparados com as categorias mais jovens. Todos os atletas da categoria master fazem esse processo. Uma explicação para esse dado poderia ser que o aumento do peso corporal tem relação direta com a idade (WHO, 1998) e dificulta a manutenção do peso ideal para atletas de judô dessa categoria.

Em relação aos métodos de perda de peso, esses diferem entre os mais usados em cada categoria. Na categoria juvenil, os mais usados são correr e reduzir a alimentação, esse último também é o mais prevalente na categoria júnior. Como discutimos acima, reduzir a alimentação em atletas jovens pode acarretar problemas no crescimento e queda no desempenho esportivo. Correr para perder peso pode ser prejudicial para o desempenho na competição, uma vez que a produção científica relacionada à periodização do treinamento esportivo preconiza diminuição do volume de treino e aumento de treinos específicos da modalidade em períodos próximos da competição (Weineck, 1999; Bompa, 2002). Treinos mais intensos também prevalecem nas categorias sênior (exercícios mais intensos) e master (treinos mais intensos).

Estudos relacionados ao assunto também relatam que o uso de método de perda de peso pré‐ competição prejudica o desempenho. Promove menores estoques de glicogênio (Cyrino e Zucas, 1999), aumento da perda de eletrólitos, aumento da temperatura corporal e dificuldade de termorregulação (Hickner et al., 1991). Além disso, um ciclo constante de ganhar e perder peso resulta em adaptações fisiológicas, como aumento da capacidade de armazenamento de gordura e diminuição da taxa metabólica basal, o que resulta em dificuldades de perda rápida de peso (Brownell et al., 1987; McCargar et al., 2006).

Artioli et al. (2006) relatam que métodos para perder peso pré‐competição podem diminuir o desempenho aeróbio, anaeróbio, na produção de força e nas funções cognitivas. No presente estudo, 70% dos atletas mais jovens (juvenil e júnior) relataram perceber que o método de perda de peso prejudica o desempenho. A prevalência é ainda maior em categorias sênior e master, próximo a 77%. Além disso, mais de 60% de todos os atletas pesquisados relataram mudança no humor com o procedimento. Hall e Lane (2001) avaliaram o impacto da perda de peso pré‐competição no desempenho e no humor de lutadores de boxe. Os resultados mostraram um desempenho inferior, em teste específico, quando comparado ao do dia em que não perderam peso. Com relação ao humor, os atletas sentiram‐se agressivos, confusos, depressivos, fadigados, tensos e com menos vigor físico. A forma que o atleta usou para a recuperação do peso perdido foi livre. Além dos prejuízos fisiológicos impostos, essa prática pode gerar transtornos alimentares, como observaram Lopes et al. (2012), em cujo estudo 33,3% dos judocas desenvolveram ou conhecem atletas que desenvolveram distúrbios alimentares com o uso de métodos de perda de peso pré‐competição.

Quando atletas de remo fizeram uma dieta de recuperação após perder 4% do peso corporal, conseguiram um desempenho em uma regata de 1.800 metros pouco inferior quando comparado ao do dia em que não perderam peso (Slater et al., 2005). Esse estudo mostra que quando orientado por um profissional, e com uma dieta adequada, o atleta pode diminuir a queda no desempenho ocasionado pela rápida perda de peso pré‐competição. Apesar do consenso na literatura em relação à perda de peso pré‐competição, diminuição do desempenho e a adaptações negativas na saúde do atleta (McCargaR e Crawford, 1992), essa ação está bem presente na modalidade esportiva do judô. Como se observou, isso não ocorre por falta de conhecimento sobre os prejuízos do uso de métodos de perda de peso, e sim pela falsa sensação de competir com atletas mais fracos, pois se encontram em uma categoria de peso inferior (Artioli et al., 2007). Com isso, o presente estudo demonstra a necessidade de conscientização, principalmente de atletas de judô mais jovens, sobre os prejuízos no desempenho e na saúde com o uso de métodos de perda de peso pré‐competição.

Como limitação do estudo destacamos a ausência de perguntas no questionário que poderiam responder a algumas questões da discussão, como o que os judocas consideram dieta balanceada, pois a maioria não tem orientação de nutricionista, e quantos atletas estão adequados ao seu peso normal de competição.

Conclusão

Observou‐se uma prevalência bem acentuada de atletas que fazem uso de métodos de perda de peso rápida em períodos pré‐competitivos. Esse fato foi evidente para todas as categorias de idade investigadas. Os relatos dos participantes da pesquisa evidenciaram que a maioria dos atletas que fizeram ou fazem uso de métodos de perda de peso tiveram prejuízos em seu desempenho competitivo, esse fato é devido a aspectos tanto emocionais quanto físicos.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Referências
[Artioli, 2008]
Artioli GG. Estudo sobre perda rápida de peso no judô: prevalência, magnitude, métodos e efeitos sobre o desempenho. 2008. 104 f. Dissertação (Mestrado)‐ Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008.
[Artioli et al., 2006]
G.G. Artioli, E. Franchini, A.H.L. Junior.
Perda de peso em esportes de combate de domínio: revisão e recomendações aplicadas.
Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum, 8 (2006), pp. 92-101
[Artioli et al., 2007]
G.G. Artioli, F.B. Scagliuse, V.O. Polacow, B. Gualano, A.H. Lancha Junior.
Magnitude e métodos de perda rápida de peso em judocas de elite.
Rev Nutr, 20 (2007), pp. 307-315
[Babbie, 1999]
E. Babbie.
Métodos de pesquisa de survey.
UFMG, (1999),
[Barbacena and Grisi, 2008]
M.M. Barbacena, R.N.F. Grisi.
Nível de ansiedade pré‐competitiva em atletas de natação.
Revista da Faculdade de Educação Física da Unicamp, 6 (2008), pp. 31-39
[Bertuol e Valentini, 2006]
L. Bertuol, N.C. Valentini.
Ansiedade competitiva de adolescentes: gênero, maturação, nível de experiência e modalidades esportivas.
Revista da Educação Física/UEM, 17 (2006), pp. 65-74
[Bompa, 2002]
T.O. Bompa.
Periodização: teoria e metodologia do treinamento.
4ª ed., Phorte, (2002),
[Brownell et al., 1987]
K.D. Brownell, S.N. Steen, J.H. Wilmore.
Weight regulation practices in athletes: analysis of metabolic and health effects.
Med Sci Sports Exerc, 19 (1987), pp. 546-556
[Carazzato et al., 1996]
J.G. Carazzato, H. Cabrita, W. Castropil.
Repercussão no aparelho locomotor da prática do judô de alto nível.
Rev Bras Ortop, 31 (1996), pp. 957-968
[Costa e Samulki, 2005]
L.O.P. Costa, D.M. Samulki.
Overtraining em atleta de alto nível – Uma revisão literária.
Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 13 (2005), pp. 123-134
[Cyrino e Zucas, 1999]
E.S. Cyrino, S.M. Zucas.
Influência da ingestão de carboidratos sobre o desempenho físico.
Revista da Educação Física/UEM, 10 (1999), pp. 73-79
[de Sousa et al., 2010]
M.V. de Sousa, K. Madsen, H.G. Simões, R.M. Pereira, C.E. Negrão, R.Z. Mendonça, et al.
Effects of carbohydrate supplementation on competitive runners undergoing overload training followed by a session of intermittent exercise.
Eur J Appl Physiol, 109 (2010), pp. 507-516
[Hall e Lane, 2001]
C.J. Hall, A.M. Lane.
Effects of rapid weight loss on mood and performance among amateur boxers.
Br J Sports Med, 35 (2001), pp. 390-395
[Hickner et al., 1991]
R.C. Hickner, C.A. Horswill, J.M. Welker, J. Scott, J.N. Roemmich, D.L. Costill.
Test development for the study of physical performance in wrestlers following weight loss.
Int J Sports Med, 12 (1991), pp. 557-562
[Kiningham e Gorenflo, 2006]
R.B. Kiningham, D.W. Gorenflo.
Weight loss methods of high school wrestlers.
Med Sci Sports Exerc, 33 (2001), pp. 810-813
[Lopes et al., 2012]
M.Q. Lopes, R.P. Mazzoccante, R.A.V. Browne, J. Bartholomeu Neto, R.C. Sotero, M.M. Sales, et al.
Estratégias de perda de peso em judocas de nível nacional.
Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 6 (2012), pp. 268-274
[Lucena et al., 2009]
M.A.O. Lucena, E.F. Miranda, R.Y. Asano, J. Bartholomeu Neto, J.K.M. Silva.
Métodos e estratégias utilizadas para perda de peso pré‐competição em lutadores de boxe.
Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 3 (2009), pp. 42-49
[McCargaR e Crawford, 1992]
L.J. Mccargar, S.M. Crawford.
Metabolic and anthropometric changes with weight cycling in wrestlers.
Med Sci Sports Exerc, 24 (1992), pp. 1270-1275
[Pelegrin, 2009]
Pelegrin G. Ansiedade Pré‐Competitiva: Uma revisão. UNESC. Criciúma: 2009.
[Silva, 2001]
C.M. Silva.
Perturbações alimentares em contextos desportivos: um estudo comparativo.
Análise Psicológica, 1 (2001), pp. 131-141
[Slater et al., 2006]
G. Slater, A.J. Rice, R. Tanner, K. Sharpe, C.J. Gore, D.G. Jenkins, et al.
Acute weight loss followed by an aggressive nutritional recovery strategy has little impact on water rowing performance.
Br J Sports Med, 40 (2006), pp. 55-59
[Vilardi et al., 2001]
T.C.C. Vilardi, B.G. Ribeiro, E.A. Soares.
Distúrbios nutricionais em atletas femininas e suas inter‐ relações.
Rev Nutr, 14 (2001), pp. 61-69
[Weineck, 1999]
J. Weineck.
Treinamento ideal.
9a ed., Manole, (1999),
[WHO, 1998]
World Health Organization.
Obesity: preventing and managing the global epidemic,rReport of a WHO Consultation on Obesity.
World Health Organization, (1998),
Copyright © 2015. Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte
Idiomas
Revista Brasileira de Ciências do Esporte

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.